Vacinação contra Herpes Zoster

A doença é decorrente da reativação do vírus da catapora, portanto apenas aqueles indivíduos que tiveram a doença ou algum contato com ela podem carregar o vírus. A primeira infecção causada pelo vírus da catapora resulta nas bolhas vermelhas e na coceira características da catapora, mais comum em crianças ou adolescentes. Após o término desse período, o vírus não é eliminado, mas permanece dormente no organismo. “Ele fica incubado nos gânglios nervosos e pode retornar se houver problemas de imunidade, causando a doença Herpes Zoster”, explica dr. Luis Fernando Aranha Camargo, infectologista do Einstein.

Como a manifestação depende da baixa imunidade, a incidência do zoster é mais comum em idosos (a partir dos 60 anos) ou em imunodeprimidos, tais como pessoas com o vírus HIV, portadores de doenças crônicas ou ainda quem esteja submetido a algum tipo de tratamento que reduza a capacidade do corpo de se proteger ou reagir contra determinada ameaça, a exemplo da quimioterapia.

De acordo com os especialistas, o vírus, que estava adormecido, aproveita a falha do sistema imunológico, sai dos gânglios nervosos e vai até a pele, afetando-a. As regiões mais afetadas costumam ser a torácica, a cervical e a lombar, mas isso não significa que outras partes não possam ser comprometidas. Os casos em que o rosto é atingido são os mais graves e inspiram mais cuidados. Neste cenário, o ideal é que um oftalmologista acompanhe a evolução do quadro a fim de evitar uma possível perda da visão.

Podem ser muito graves as consequências da doença: desde uma dor incapacitante que pode perdurar por meses e necessita de medicamentos fortes como a morfina até o comprometimento da visão e da perda de audição. A incidência também é alta: segundo estudos, 20% das pessoas podem ter herpes zoster em algum momento da vida.

Diagnóstico e tratamento

Devido às características próprias, uma avaliação clínica bem feita é capaz de identificar a manifestação da doença. No entanto, se houver a necessidade de confirmação do diagnóstico, o médico pode pedir a realização de exames de sangue. O tratamento do herpes zoster utiliza a mesma base de antivirais do herpes simples.

Contágio e vacinação

O vírus pode ser transmitido por meio do contato direto da pele com as vesículas, ou ainda por meio das secreções respiratórias. Também pode ser transmitida via objetos contaminados.

Por isso, a vacinação é tão importante. “Temos uma vacina de vírus vivo contra varicela muito eficiente que finalmente vai para o calendário de vacinação. Para o zoster, há uma vacina de vírus vivo que já está disponível no Brasil”, esclarece dr. Pasternak. A indicação da Sociedade Brasileira de Infectologia é que a imunização contra a varicela seja feita em duas doses: a primeira, quando a criança tem 12 meses, e a segunda, aos quatro anos de idade. A vacina contra herpes zoster já é utilizada nos Estados Unidos desde 2006 e está disponível no Vaccin. É uma vacina de dose única recomendada para pessoas acima de 50 anos. 

 

Proteja-se! Se você já teve catapora ou contato com o vírus e tem mais de 50 anos, fale conosco.

A prevenção é a melhor forma de proteção contra Herpes Zoster.

 

Fonte: Drs. Jacyr Pasternak – CRM:11034, Alexandre Marra – CRM:87712 e Luis Fernando Aranha Camargo – CRM:57567, infectologistas​​